VCRC Blog

Notícias sobre a cena musical local de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA) + Dicas de lançamentos de álbuns (nacionais e internacionais) + Podcast mensal

-

Policiamento impede realização de encontro de esportes radicais


NUMA RÁPIDA consulta ao Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, façamos o exercício de verificar o significado do verbo ‘marginalizar’: “impedir a integração ou participação de um grupo (ou alguém) no meio social, na vida pública”. Talvez tenha sido exatamente o que aconteceu neste último domingo (08/05/11) na Praça do Coliseu, em Petrolina-PE.

NAQUELA TARDE estava programada a realização do 2º Encontro de Esportes Radicais – Nós na Praça, com a integração dos praticantes do skate, bike e patins, um evento gratuito e aberto ao público aonde teoricamente havia o apoio da prefeitura municipal. Iniciado às 16 horas, os djs Jocélio Bello e Cristiano Lima já esquentavam o público que timidamente começava a chegar, quando uma viatura da polícia militar interrompe o som por alguns instantes. A explicação era de que a vizinhança havia se queixado, mas a presença da secretária de cultura contornou positivamente a situação. A reclamação para com o descaso da prefeitura havia surgido ainda devido à falta do bloqueio da rua aonde os jovens praticavam seus esportes, que precisavam momentaneamente interromper suas ações para permitirem a passagem dos veículos. Duas bandas de rock estavam programadas para se apresentar: Reliving e Los Chicos em Fuego. Contudo, quando começou a anoitecer e o primeiro grupo executava a primeira música, outra viatura militar chega à praça e impede definitivamente a continuação do evento.

PERGUNTAMOS-NOS onde está o respeito para com os jovens e com os amantes da música alternativa de nossa região, que já estão acostumados a se sentirem marginalizados. De que adianta a autorização da prefeitura para a realização do evento se não há comunicação/parceria com a autoridade policial? Onde está o papel da secretaria de Secretaria de Esportes e Juventude? Festas maiores e populares de cantoras famosas de axé conseguem acontecer a pouco mais de 200 metros de hospitais, e mesmo assim parece não incomodar ninguém. Mas quando a galera dos skates, bikes e patins resolvem se encontrar, a força policial é logo acionada. Ficam as questões, a revolta e a insatisfação.